Estou feliz porque sorrio ou sorrio porque estou feliz?

Como desenvolver uma comunicação assertiva.

Estou feliz porque sorrio, ou sorrio porque estou feliz?

Esta pergunta não óbvia encerra uma rasteira e um conhecimento importante. A rasteira é que a pergunta está mal colocada, ambas as hipóteses estão corretas.
Há semelhança de quase tudo na vida, algo só está assimilado quando fica incorporado, in corpo, como experiência corporal. Seja uma emoção ou um pensamento.

???? Posso entender intelectualmente como se anda de bicicleta ou sentir o que é estar apaixonado, mas é somente quando se torna experimental, físico, corporal, que quer o pensamento quer a emoção se manifestam plenamente.

???? O conhecimento subjacente é uma advertência antiga do fílósofo e escritor DeRose.
As emoções quando surgem é o momento ideal para serem geridas, no início. A partir do momento em que a emoção se torna corporal, se manifesta corporalmente, é muito mais difícil de gerir, é exponencial.
Todos nós somos peritos em perceber as emoções. Identificamos centenas de pequenos detalhes subliminais no rosto e voz das pessoas. Alguns neurocientistas afirmam que é o nosso cérebro reptiliano, a parte mais instintiva do cérebro que teremos herdado dos répteis, que processa isso.

Então, porque nem sempre percebemos como estão os outros?
Porque somos surpreendidos quando trabalhadores, colegas, parceiros se afastam sem que suspeitássemos que algo não estaria do seu agrado?

Se parar para pensar um pouco você sabe a resposta.
As pessoas estão tão envolvidas com as suas vidas que não têm tempo para comunicar como deve ser com os outros. Excesso de stress, ausência de presença, imaturidade emocional e pouca assertividade.

????O que fazer então para comunicar de forma mais assertiva?

Siga-me nestes artigos.

➡ 1. Sorrir
Há vários tipos de sorrisos, o sorriso social, o verdadeiro, mesclado com outras emoções (tristeza por exemplo ???? ).

O sorriso social é uma máscara social que pode ser baseada em uma cordialidade ou em uma hipocrisia, que em ambos os casos não pretende expor o nosso momento às pessoas à nossa volta.

O sorriso verdadeiro cria um contexto de leveza e de alegria sincera à nossa volta. As emoções são contagiosas.
De forma genérica, se o interlocutor identificar pelos movimentos do nosso rosto e pela vibração emocional que estamos leves e felizes, estará criado um contexto interessante para comunicar.
Esta forma de sorrir pode ser estimulada com os consequentes resultados. Para isso basta ativar voluntariamente e conscientemente os músculos imediatamente abaixo dos olhos (músculos orbiculares), o que fará salientar as rugas de expressão dos cantos dos olhos, cerrando-os ligeiramente. Veja a fotografia do artigo.

Esta é uma das razões porque recomendo prudência no uso de botox no rosto. Este retira as linhas de expressão contribuindo para uma menor capacidade em comunicar e em criar empatia.

✅ Observe que o esforço por sorrir gerará resultados na proporção direta em que a nossa emoção se alterar. Não serve como manipulação do outro.

Mais no próximo artigo.

Comentários
Please enable JavaScript in your browser to complete this form.
Gostaria de receber contacto para aulas: